Advogado ferido em manifestação
Protestos

Advogado ferido em manifestação

O advogado Antônio Roberto de Toledo Lopes participava de um manifestação popular em Piracicaba (SP) em junho de 2013, que assim como outras que ocorriam simultaneamente pelo país, possuía variadas reivindicações e objetivos, ligados à qualidade dos serviços públicos e gestão dos recursos públicos. (Foto: André Lucas)

Compartilhe

Entenda o caso

O advogado Antônio Roberto de Toledo Lopes participava de um manifestação popular em Piracicaba (SP) em junho de 2013, que assim como outras que ocorriam simultaneamente pelo país, possuía variadas reivindicações e objetivos, ligados à qualidade dos serviços públicos e gestão dos recursos públicos. A manifestação seguiu seu percurso e encontrou-se com a Guarda Municipal, cuja postura ostensiva fez com que os ânimos se acirrassem, e os manifestantes passaram a gritar coros de ordem. A Guarda Municipal então respondeu com ataque de bombas de gás e balas de borracha.

Nesse contexto, Antônio foi socorrer dois adolescentes que haviam sido atingidos pelas balas de borracha, um na cabeça e outro na perna. Nesse momento, um agente da Guarda Municipal disparou a arma com elastômero na direção de Antônio, atingindo-o no abdomem do lado direito, à 10 cm de sua genitália, provocando dores, edema e sangramento.

Antônio registrou boletim de ocorrência quanto ao ocorrido, realizou exame de corpo delito, e entregou às autoridades a bala de borracha que o atingiu para que fosse possível realizar a perícia. Em seguida, ele ingressou com Ação de Indenização por Danos Morais em face da prefeitura do Município de Piracicaba.

Nossa posição

A situação enfrentada por Antônio configura uma séria violação do seu direito à liberdade de expressão e reunião. O uso da força por agentes responsáveis pela aplicação deve respeitar os protocolos nacionais e internacionais, o que não se viu no caso, principalmente no que diz respeito ao uso gradual da força. O uso de balas de borracha, tanto no caso específico como de uma forma geral é uma medida desproporcional de restrição ao direito de manifestação, pois pode causar lesões graves e mesmo risco de morte. A ARTIGO 19, por meio do Centro de Referência Legal, apresentou um parecer no caso baseado nos padrões internacionais de direito de protesto.

Assim, em consonância com esse entendimento, a Ação proposta por Antônio foi julgada procedente. A juíza salientou inclusive que em casos como esse deve ser analisada a situação pontual do disparo, e não o contexto da manifestação como um todo. Isso porque a guarda civil municipal não está autorizada a efetuar disparos de balas de borracha ou tomar outras reações de contenção do protesto de maneira indistinta e/ou contra todo e qualquer manifestante.

Documentos

Vídeos

Compartilhe

Outros casos de Protestos

Aviso Prévio no STF
Protestos

Aviso Prévio no STF

Em 2008, diversos sindicatos e movimentos sociais organizaram uma manifestação em uma rodovia entre os estados de Alagoas e Sergipe. A Advocacia-Geral da União, então, entrou na justiça para impedir que a manifestação ocorresse por conta da ausência de aviso prévio às autoridades, exigida pelo art. 5º, XVI da Constituição Federal.

Caso Sérgio Silva
Protestos

Caso Sérgio Silva

O fotógrafo Sérgio Silva estava fazendo uma cobertura jornalística de um dos protestos contra o aumento na tarifa do transporte público em São Paulo, em junho de 2013, ocasião em que foi atingido por uma bala de borracha disparada por um policial militar. O ferimento resultou na perda de seu olho esquerdo.

Protestos no Paraná
Protestos

Protestos no Paraná

No dia 27 de maio de 2015 a Defensoria Pública do Paraná protocolou uma Ação Civil Pública contra o Estado do Paraná com o objetivo de estabelecer parâmetros para a atuação policial nas manifestações públicas. (Foto: Pedro Chavedar)

Caso Roberta – Marcha das vadias
Protestos

Caso Roberta – Marcha das vadias

Nesse contexto, em um dos protestos da Marcha em 2013, a manifestante Roberta da Silva Pereira expôs seus seios como forma de passar a mensagem do protesto. Posteriormente, ela foi condenada a 3 meses de detenção, convertidos em multa no valor de 1000 reais, pela prática de ato obsceno (art. 233 do Código Penal). (Foto: Oliver Kornblihtt – Mídia NINJA)

Ação Civil Pública para a atuação policial em protestos
Protestos

Ação Civil Pública para a atuação policial em protestos

Em 2014, a Defensoria Pública de São Paulo protocolou uma Ação Civil Pública com o objetivo de estabelecer parâmetros para a atuação policial em protestos. (Foto: André Lucas)

ARTIGO19 entra com mandado de segurança para obter diretriz da polícia
Protestos

ARTIGO19 entra com mandado de segurança para obter diretriz da polícia

Um dos muitos elementos problemáticos observados em protestos desde 2013 foi a filmagem de manifestantes pelos agentes de segurança pública. (Foto: Fernando Banzi)