Aviso Prévio no STF
Protestos

Aviso Prévio no STF

Em 2008, diversos sindicatos e movimentos sociais organizaram uma manifestação em uma rodovia entre os estados de Alagoas e Sergipe. A Advocacia-Geral da União, então, entrou na justiça para impedir que a manifestação ocorresse por conta da ausência de aviso prévio às autoridades, exigida pelo art. 5º, XVI da Constituição Federal.

Compartilhe

Entenda o caso

Em 2008, diversos sindicatos e movimentos sociais organizaram uma manifestação em uma rodovia entre os estados de Alagoas e Sergipe. A Advocacia-Geral da União, então, entrou na justiça para impedir que a manifestação ocorresse por conta da ausência de aviso prévio às autoridades, exigida pelo art. 5º, XVI da Constituição Federal. A despeito disso, a manifestação ocorreu, pois os grupos entenderam que a divulgação na imprensa era suficiente para cientificar a população e as autoridades públicas.
A multa prevista em caso de descumprimento da proibição, no valor de R$10.000,00, foi aplicada e posteriormente contestada por meio de diversos recursos judiciais até chegar ao Supremo Tribunal Federal (STF) no Recurso Extraordinário 806339. O Recurso foi admitido pelo Relator, ministro Marco Aurélio, que afirmou se tratar de um caso paradigmático em que o tribunal deverá interpretar o sentido do artigo constitucional que determina a obrigatoriedade do aviso prévio. Isso significa, portanto, que o STF decidirá quais os limites da previsão constitucional e o que pode ou não ser exigido de manifestantes e pessoas envolvidas em reuniões públicas. Algumas dúvidas, por exemplo, são se o aviso deve ser formal, se deve ser entregue a uma autoridade específica, se deve haver um prazo e qual deve ser o conteúdo desta notificação.
O processo já teve manifestação da Procuradoria Geral da República e ingresso de algumas organizações, dentre as quais a ARTIGO 19, como amicus curiae.

Nossa posição

A ARTIGO 19 defende a garantia do direito de protesto como um fator essencial para a expressão de opiniões dissonantes e reivindicações em uma sociedade verdadeiramente democrática. Tal defesa, baseada nos padrões internacionais de direitos humanos, é incompatível com exigências burocratizantes para o exercício do direito de reunião. A necessidade de formalização do aviso prévio e encaminhamento a autoridades específicas, nesse sentido, é excessiva e pode ser substituída pela divulgação dos eventos pela internet, medida mais adequada às novas dinâmicas sociais.
Da mesma forma, não deve ser exigido que grupos de manifestantes apontem representantes ou lideranças, uma vez que essa forma de organização tem sido substituída por modelos horizontais e descentralizados. Por fim, esse tipo de organização, muitas vezes espontânea, e o contexto conhecido de intensa repressão e criminalização de protestos sociais no país impossibilita a descrição de trajetos de manifestações sociais, já que, por um lado, não é possível ter controle sobre esse aspecto dos protestos e, por outro, trata-se de uma exigência que facilita a repressão policial. Estes argumentos podem ser resumidos na ideia de que qualquer interpretação do aviso prévio deve ir no sentido de que sua função exclusiva é cientificar as autoridades para que garantam o exercício do direito de reunião e manifestação, o que não se confunde com a autorização direta ou indireta para ocorrência destes eventos.

Documentos

Compartilhe

Outros casos de Protestos

Aviso Prévio no STF
Protestos

Aviso Prévio no STF

Em 2008, diversos sindicatos e movimentos sociais organizaram uma manifestação em uma rodovia entre os estados de Alagoas e Sergipe. A Advocacia-Geral da União, então, entrou na justiça para impedir que a manifestação ocorresse por conta da ausência de aviso prévio às autoridades, exigida pelo art. 5º, XVI da Constituição Federal.

Caso Sérgio Silva
Protestos

Caso Sérgio Silva

O fotógrafo Sérgio Silva estava fazendo uma cobertura jornalística de um dos protestos contra o aumento na tarifa do transporte público em São Paulo, em junho de 2013, ocasião em que foi atingido por uma bala de borracha disparada por um policial militar. O ferimento resultou na perda de seu olho esquerdo.

Protestos no Paraná
Protestos

Protestos no Paraná

No dia 27 de maio de 2015 a Defensoria Pública do Paraná protocolou uma Ação Civil Pública contra o Estado do Paraná com o objetivo de estabelecer parâmetros para a atuação policial nas manifestações públicas. (Foto: Pedro Chavedar)

Caso Roberta – Marcha das vadias
Protestos

Caso Roberta – Marcha das vadias

Nesse contexto, em um dos protestos da Marcha em 2013, a manifestante Roberta da Silva Pereira expôs seus seios como forma de passar a mensagem do protesto. Posteriormente, ela foi condenada a 3 meses de detenção, convertidos em multa no valor de 1000 reais, pela prática de ato obsceno (art. 233 do Código Penal). (Foto: Oliver Kornblihtt – Mídia NINJA)

Ação Civil Pública para a atuação policial em protestos
Protestos

Ação Civil Pública para a atuação policial em protestos

Em 2014, a Defensoria Pública de São Paulo protocolou uma Ação Civil Pública com o objetivo de estabelecer parâmetros para a atuação policial em protestos. (Foto: André Lucas)

ARTIGO19 entra com mandado de segurança para obter diretriz da polícia
Protestos

ARTIGO19 entra com mandado de segurança para obter diretriz da polícia

Um dos muitos elementos problemáticos observados em protestos desde 2013 foi a filmagem de manifestantes pelos agentes de segurança pública. (Foto: Fernando Banzi)