ADPF 379 – Políticos proprietários de meios de comunicação
Radiofusão

ADPF 379 – Políticos proprietários de meios de comunicação

A ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) 379, de autoria do PSOL, pede que o STF declare inconstitucional a prática que permite que políticos com mandatos eletivos se beneficiem de concessões públicas no setor de radiodifusão. (Foto: Pixabay)

Compartilhe

Entenda o caso

Atualmente, uma série de estações de rádio e canais de televisão em cidades de todas as regiões do Brasil são controladas por parlamentares, o que prejudica a pluralidade nos meios de comunicação, violando assim o direito à liberdade de expressão.
Essa prática infringe o artigo 54 da Constituição Federal, que afirma de maneira taxativa, que deputados federais e senadores não podem firmar ou manter contratos com “empresa concessionária de serviço público”, categoria que abrange os canais de radiodifusão. Além disso, há um claro conflito entre os interesses público e privado, uma vez que o processo de autorização de concessão pública na radiodifusão envolve o Congresso. Isto significa que deputados e senadores podem acabar legislando em causa própria na medida em que autorizam a liberação de concessões públicas de radiodifusão para empresas das quais são donos.
Os padrões internacionais também apontam para a necessidade de que os órgãos que regulam os meios de comunicação sejam independentes da esfera política institucional e com autonomia em relação aos demais poderes. Essa independência é essencial para garantir a pluralidade nos meios de comunicação, elemento fundamental para que os diversos segmentos sociais exerçam seu direito à liberdade de expressão junto à sociedade. No Brasil, entretanto, os processos de distribuição, renovação, e cancelamento de estações de rádio e canais de TV estão sob o controle do Poder Executivo, por meio do Ministério das Comunicações e da Anatel, e do Congresso.

A ADPF é de relatoria do Ministro Gilmar Mendes em obteve parecer favorável da Procuradoria Geral da República. Em agosto de 2016, Rodrigo Janot destacou que a prática que a ADPF pretende extinguir conferia a políticos poder de influencia indevida sobre importantes funções da imprensa, sobretudo em relação à divulgação de informações ao eleitorado e à fiscalização de atos do poder público.

Nossa posição

A ARTIGO 19 já protocolou um Amicus Curiae no sentido de que o envolvimento de políticos em atividades relacionadas aos meios de comunicação se mostra como uma violação ao direito de liberdade de expressão.

Documentos

Vídeos

Compartilhe

Outros casos de Radiofusão

Prisão arbitrária, tortura e morte de Vladimir Herzog
Radiofusão

Prisão arbitrária, tortura e morte de Vladimir Herzog

O caso do jornalista Vladimir Herzog foi levado pelo Centro pela Justiça e o Direito Internacional - CEJIL à Corte Interamericana de Direitos Humanos de Direitos Humanos com o objetivo de obter a condenação do Estado brasileiro pela detenção arbitrária, tortura e assassinato de Herzog ocorridos durante a ditadura civil militar brasileira. Na opinião da ARTIGO 19, a condenação do Estado brasileiro é necessária para que este capítulo violento e autoritário da história do país, em que vozes críticas foram silenciadas, não mais se repita. (Foto: Reprodução)

ADPF 429 – políticos propritários de meios de comunicação
Radiofusão

ADPF 429 – políticos propritários de meios de comunicação

A propriedade de meios de comunicação por aqueles que ocupam cargos eletivos não está de acordo com os padrões internacionais de direitos humanos relativos a proteção do direito à liberdade de expressão. (Foto: Pixabay / Design: Instinto)

ADPF 379 – Políticos proprietários de meios de comunicação
Radiofusão

ADPF 379 – Políticos proprietários de meios de comunicação

A ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) 379, de autoria do PSOL, pede que o STF declare inconstitucional a prática que permite que políticos com mandatos eletivos se beneficiem de concessões públicas no setor de radiodifusão. (Foto: Pixabay)

RÁDIO COITÉ LIVRE FM
Radiofusão

RÁDIO COITÉ LIVRE FM

A demora injustificada do Ministério para analisar o pedido feito pela Rádio Coité em 1999 para legalizar suas operações tem gerado uma série de problemas à rádio e aos seus responsáveis, incluindo o seu fechamento, apreensão de equipamentos pelo Poder Público e ações penais movidas contra os seus representantes Zacarias de Almeida Silva e Núbia da Silva Oliveira. (Foto:

Ação no STJ sobre a arrecadação de taxas de direito autoral de uma Rádio Comunitária
Radiofusão

Ação no STJ sobre a arrecadação de taxas de direito autoral de uma Rádio Comunitária

Ação questionando a cobrança de direitos autorais da rádio comunitária sobre as transmissões ao público de composições musicais sem prévia autorização dos titulares dos direitos autorais.

Orlando Ferreira da Silva X ANATEL
Radiofusão

Orlando Ferreira da Silva X ANATEL

Exceção de pré-executividade. (Foto: Jonathan Velasquez/Unsplash)